08/09/2019 21:38:38

  • O relatório DRE é uma das demonstrações financeiras mais fundamentais para que empresários cuidem da saúde financeira de sua empresa.

  • Aprender a usar esse relatório de forma prática é essencial para que se tenha clareza de como anda a rentabilidade atual. É possível assim, traçar estratégias de marketing, lançar campanhas de incentivo à funcionários e prever os prováveis resultados futuros.

  • Sua principal função mais importante é trazer clareza no financeiro, facilitando estratégias para manter a empresa saudável e lucrativa. As transações financeiras são registradas no arquivo contábil, o que gera um relatório que torna possível a empresa prever custos que vão ser feitos, dentro de um período, para alcançar a receita esperada.

  • Os relatórios financeiros são gerados sob o método de regime de competência e proporciona informações muito úteis sobre transações passadas, e também sobre as futuras, assim temos visão do que teremos de custos e receitas.

 

Vale a pena, não é mesmo?


O que é Regime de Competência?

Regime de Competência, é um registro de transações financeiras registrado na data que aconteceu. Podendo ser entrada (venda, receita) ou uma saída (despesas e custos). Não importa quando vou pagar ou receber, esse relatório verifica todas transações no momento que acontecem.

Regime de Caixa (DFC) é diferente do regime de competência (DRE). No Regime de Caixa é considerado a transação na data que foi paga ou recebida, assim como uma transação bancária. Mas isso é assunto para outra matéria.

Veja DFC – Como usar esse relatório para controlar o financeiro e lucrar mais.

 

Como são registradas as Receitas e Despesas.

  • Despesas: São registradas quando os dados que são ativos passam a não existir, ou pela entrada de um passivo, que não seja relacionado a outro ativo já registrado. Despesas também aparecem no registro no período de competência (período que foi realizado) dela mesma.
  • Receitas: Registro das receitas acontece quando transações com terceiros são feitas. Não importando se o pagamento tenha sido realizado na data ou uma data futura, dessa forma é tido como entrada assim que é feito um contrato ou uma garantia de pagamento do serviço ou produto.

Para entender

Na contabilidade passivo se refere às obrigações devidas. Despesas e depreciações, enquanto ativo representa bens e direitos a receber esses bens. Um exemplo de ativo é uma conta a receber, e passivo seria uma conta a pagar.

Como é apresentado

Se for alimentado da forma correta, o relatório DRE pode apresentar dados valiosos para a gestão de sua empresa. Sua visualização pode ser simples, através de gráficos ou relatórios em tabelas que dependendo da empresa pode ser apresentado em apenas uma única página. Pode também ser combinado com outras informações sobre resultados, o que facilita para tomadas de decisões importantes.

Não existe um modelo exigido para esse relatório em complicados padrões contábeis. O importante é o Gestor da empresa conseguir ler esses dados e ter clareza para usar essas informações de forma estratégica e poder aumentar seus lucros.

Em uma empresa padronizada por Sistemas Gerenciais fica muito mais fácil ter acesso a esses dados e saber como aplica-los estrategicamente. Dando mais liberdade para o dono da empresa.

Existem muitos formatos possíveis, que normalmente incluem alguns ou todos os itens de linha a seguir:

  • Receita
  • Despesa Tributária
  • Lucros ou prejuízos
  • Outros resultados abrangentes, subdivididos em cada um dos seus componentes
  • Receita abrangente total

O relatório DRE não deve ser um “bicho de sete cabeças”…

…que fica apenas à cargo do financeiro ou da contabilidade. Essas informações devem estar bem claras para o Gestor (Dono da empresa ou Diretor). Deve ser feito uma análise junto aos profissionais capacitados para que esse relatório seja entregue em formato de tabela ou gráfico, seja totalmente clara e útil para tomadas de decisões. Independente do tamanho da empresa.

Considerações sobre Demonstração do Resultado do Exercício

Em um conjunto básico de demonstrações financeiras que uma empresa produz, pelo menos anualmente, consiste na demonstração dos fluxos de caixa, no balanço patrimonial (ou demonstração da posição financeira), e na demonstração de resultados.

À medida que as empresas aumentam, começam a fazer algumas variações comuns na estrutura. Muitos, por exemplo, têm uma seção no topo que começa com a receita total, subtrai o “custo da receita” e mostra a diferença como “lucro bruto”.

A linha de “custo de receita” é o total de todas as despesas que a empresa considera, estar diretamente relacionada à geração de receita, como o custo de aquisição de estoque.

A partir do lucro bruto, eles então subtraem as despesas operacionais normais, como administração e pesquisa e desenvolvimento, o que leva a outro subtotal chamado, geralmente, receita operacional.

 

Veja algumas dicas para controlar as receitas e despesas.

 

1 Verifique todas as contas.

Sim, erros ocorrem mesmo em declarações impressas e publicadas, mesmo nos produzidos por grandes empresas. Além disso, à medida que você passa pela adição e subtração, aprimora sua própria compreensão de como os números se encaixam.

2 Encontre a linha de fundo. 

Em um nível muito básico, é bom ver um número positivo lá. Isso significa que a empresa ganhou mais do que gastou durante esse período. Isso significa que pode pagar seus funcionários, manter as luzes acesas e não ser forçado a pedir dinheiro emprestado.

3 Busque entender os dados

Se na linha de fundo constar um sinal negativo, ou impressa em vermelho, ou entre parênteses, as despesas excederão a receita. Descubra o porquê. E tenha clareza para traçar suas estratégias.E qual é o plano para transformar o vermelho em preto?

Uma perda líquida de vez em quando não implica necessariamente em desastre. Às vezes, as novas empresas têm muitos custos iniciais e não esperam obter lucro no primeiro ou no terceiro ano. Ou talvez o negócio em questão seja cíclico, como a agricultura: se a sua empresa plantar milho e não houver chuva este ano, você provavelmente apresentará uma perda. Perfeitamente normal. Por outro lado, se as perdas líquidas se tornarem uma tendência, ou se a empresa não tiver dinheiro suficiente para financiar suas despesas durante os períodos de inatividade, pode haver um problema.

4 Sistematize sua empresa por processos.

Transforme sua empresa em um Sistema gerenciável por processos. Tenha todos os setores integrados como engrenagens que fazem sua empresa funcionar. Assim você vai entender melhor os resultados financeiros, vai lucrar mais e ter tempo para se dedicar ao que realmente importa.

Veja mais em: Como transformar minha empresa em um Sistema Gerenciável de processos?

 

5 Olhe para as fontes de renda.

Suas receitas são sustentáveis? Analise as suas fontes e entenda os custos e a origem delas. Caso sua matéria prima ou seu produto vier de uma fonte que vai se esgotar ou em breve precisará de um investimento maior, tenha clareza para precificar de forma correta.

6 Analise as despesas.

Eles são lógicos? Para a maioria das empresas, você verá salários e vencimentos, seguro, aluguel, suprimentos, juros e pelo menos algumas outras coisas.

Está faltando alguma coisa que você esperaria ver? Verifique com cuidado despesas que podem existir, mas não consta no nosso relatório.

7 Agora, analise os dados: Quais são as maiores despesas?

Verifique a folha salarial, será que é extremamente alta? Alguém está sendo pago em excesso? Os processos dos funcionários estão bem montados? Isso pode te dar clareza para saber se deve ou não manter esse ou aquele funcionário.

Veja Como criar processos para organizar as funções da minha empresa.

 

8 Compare os números ano a ano.

Normalmente, a Demonstração do Resultado de Exercício, terá uma coluna separada mostrando os números do ano anterior. Se o documento ainda não mostrar a variação percentual em todas as categorias, calcule você mesmo esses números, e busque um sistema ou planilha que entregue os dados que você deseja ter. Não se contente com “sempre foi assim” ou “é assim mesmo”.

9 Verifique de tempos em tempos os dados de entrada.

Questione quaisquer mudanças significativas, e busque esclarecimentos para elas. Por exemplo, por que a receita de vendas é 50% menor do que a anterior? Por que o seguro é 20% mais baixo? A entidade acumulou um histórico de segurança tão grande que a seguradora reduziu suas taxas? Talvez. Mas talvez o número de seguro reduzido tenha uma causa negativa, como se uma das apólices tivesse sido cancelada e a empresa estivesse em risco de alguma forma.